Carta de Amor

Posted on 18 de março de 2014 by juluc7 in Contos

Eu não tenho dito muita coisa pois acho que meu pai me ensinou o orgulho antes de me ensinar a ser humano. Mas eu gostaria que você soubesse que eu entendo. Que eu estou aqui. Que eu ainda sou eu.

Quando eu saio pra jogar com os meus amigos e você não fala nada, quando você encontra umas unhas do pé perdidas no tapete do banheiro e não reclama, quando eu durmo no cinema assistindo Sex and the City e fico de mal humor por não ter assistido o Ninja Assassino 4 e mesmo assim você pergunta o que eu quero jantar, quando eu mal te beijo antes de ir trabalhar ou volto estressado e você me abraça sem retorno, quando eu compro aquele treco de tecnologia por centenas de reais e uso uma semana mas reclamo de você pagar um quinto do preço num par de sapatos e você deixa eles na prateleira em silêncio, quando eu me irrito com a espera na porra dum restaurante no dia dos namorados e você só queria ficar do meu lado no boteco da esquina, eu gostaria de dizer que eu também te amo.

Eu também percebo. Eu também sei que eu deveria agir de uma outra forma. Eu também sinto saudade. Eu também queria ser mais homem para corrigir meus erros, sem saber como corrigi-los. Eu queria que você soubesse que eu sinto muito, as vezes.

Pelas vezes que eu esqueci uma data importante, mesmo que ela fosse mais uma jogada de marketing pra vender mais tranqueiras, que eu sai pela porta esbravejando, que eu disse que tinha sido só umas cervejas, que eu jurei que achava que era mais cedo, que eu fechei a cara pois já estava esperando há meia hora, que eu não amoleci com seu sorriso, que eu não te beijei pra você aprender a não discutir comigo, que eu não entendi as coisas que você gostava, que eu não fui pra balada com você por não gostar da música, que eu não estive do seu lado por achar frescura, que eu não sai mais cedo do trabalho pra ficar mais cedo contigo, que eu fiquei no computador até tarde, que eu fui um cretino ao invés de agir com charme, que eu inventei uma desculpa pra sair sozinho, que eu menti com quem que eu estava, que eu não soube te segurar como você esperava, eu gostaria de dizer que eu sinto muito mesmo. Desculpe-me.

E pela absoluta falta de resolução em dezenas de coisas na minha vida é que eu olho em volta e vejo a única delas que está resolvida: eu amo você.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>